MASASHIRO SUGANO

Nascido em Osaka, Japão, Masahiro Sugano, um ex-aluno do Instituto Sundance Film Festival, é um cineasta premiado que estende sua premiação a partir de uma indicação do Student Academy Award em 1997, para o prêmio mais recente como bolsista em 2013 do Centro para o Fundo Asiático Americano de Inovação de Mídias, com sua série experimental na web "Versos no exílio". Depois de percorrer festivais internacionais de cinema em Pusan, Cingapura e Buenos Aires, seu primeiro filme de longa-metragem Artof Love foi distribuído em DVD. Ele conquistou um bacharelado em filosofia pela Universidade do Estado da Califórnia (Northridge) e um mestrado em filme / vídeo / animação pela Universidade de Illiniois (Chicago). Seu recente curta-metragem "Por que eu escrevo (2011)" ganhou o prêmio de Melhor Performance Poética em Filmes no Festival de Poesia Berlin Zebra de 2012. Através do laboratório de mídia do Studio Revolt, Sugano introduziu o Neo-Realismo cambojano para uma ávida jovem geração de cineastas. Atualmente reside em Phnom Penh no Camboja, onde ele completou seu segundo projeto em longa-metragem, Cambodian Son (2014).

Fotos

"Filho do Camboja" captura a inspiradora história da jornada de Kosal Khiev, de prisioneiro na América ao poeta de classe mundial no Camboja. O documentário acompanha a vida de Kosal depois de receber o convite mais importante de sua carreira, o de se apresentar representando o Reino do Camboja na Olimpíada Cultural de Londres em 2012. Kosal viajaria para Londres tendo apenas pego dois vôos anteriores; primeiro, quando criança refugiada de 1 ano de idade, cuja família fugiu do Camboja e depois, um criminoso estrangeiro de 32 anos forçado a regressar ao Camboja em 2011. Este documentário acompanha um jovem instável no entanto charmoso e talentoso que luta para encontrar o equilíbrio entre uma nova liberdade que só foi concedida através de sua deportação. Kosal logo percebe que com sua nova liberdade vem uma grande responsabilidade. Depois que as apresentações terminam e o palco de Londres torna-se uma memória longínqua, Kosal é mais uma vez deixado sozinho para responder à questão central em sua vida: "Como sobreviver quando se pertence a lugar nenhum".